“Não adianta comprar uma bicicleta que depois vai virar cabide de roupa suja”, aconselha de imediato o ex-ciclista profissional e atual proprietário de uma loja do ramo Milton Carlos Della Giustina. Isso porque uma bike inadequada pode comprometer a segurança, a saúde e, inclusive, a motivação do praticante.

Quem quer pedalar precisa, primeiro, definir seu objetivo, decisão fundamental para a escolha da bike a a ser comprada. Como tem crescido o uso da bicicleta como meio de transporte nas cidades, o especialista dá as principais dicas para quem pretende se tornar um ciclista urbano.

Modelo:
O banco (selim) deve ficar o mais atrás possível da linha do pedal, o que proporciona conforto e estabilidade. O guidão precisa ser alto para possibilitar a visão do trânsito à frente. O assento deve ser largo e macio.

Medidas:
O tamanho da bicicleta é determinado pelo comprimento das pernas do ciclista. Sentada no banco, cujo cano deve estar cerca de 15cm para fora do quadro, a pessoa precisa tocar a ponta dos pés no chão. Assim, não sentirá incômodo com o cano central quando for parar ou pedalar de pé. Ao girar o pedal, a perna do ciclista precisa ficar levemente flexionada no ponto mais baixo e não mais dobrada que 90? no ponto mais alto. 

Marcha:
O especialista acredita que a melhor é a embutida, que precisa de pouca manutenção e protege as engrenagens, evitando o problema de queda da correia. Depois, vem a indexada, que é aberta, mas fácil de manusear. Por último, aparece a não-indexada, que, para o comerciante, nem deve ser usada por quem não tem prática. “Nesse caso, é até melhor ser sem marcha”, diz. 

Freio:
Não deve ser de plástico. “Mesmo descendo um morro não muito inclinado, você pode acabar sofrendo um acidente se o equipamento não aguentar o tranco.” 

Pneus:
Podem ser lisos. Os de mountain bike, com muitos frisos, não são adequados para asfalto. 

Equipamentos de segurança:
Por lei, é preciso ter espelho retrovisor e, para quem vai andar à noite, farol, farolete e refletor dianteiro (branco), traseiro (vermelho), lateral (amarelo) e nos pedais (também amarelo). Capacete não é obrigatório, mas pode salvar vidas. O ideal é que seja de isopor de alta resistência e que quebre em caso de queda em vez de amassar, o que pode machucar ainda mais a cabeça da vítima. Luvas e óculos de sol também são importantes.

Cuidados:
Nunca ande na contramão porque, se você bater de frente com um veículo, as velocidades dos dois serão somadas, tornando o acidente muito mais grave. Não pedale ouvindo música, pois perderá um dos sentidos, o que pode prejudicar muito a segurança.

Assessórios:
Garrafa de água à mão é indispensável. Se for percorrer grandes distâncias, isotônicos ajudam a manter a hidratação e a nutrição. Procure usar roupas chamativas para ser mais notado no trânsito e leves, para ficar confortável. Bermudas específicas para ciclismo tornam a atividade ainda mais agradável.

Fonte: http://www.mundowalmart.com.br

Deixe uma resposta